Dulce María: “Sou uma mulher diferente”

Dulce María, uma das artistas mais influentes da América Latina, está de volta ao cenário musical com No Sé Llorar, o primeiro single do seu terceiro disco como solista, disco que a mexicana decidiu experimentar novos sons.

Em entrevista ao METRO da Nicarágua, a interprete assegurou que está feliz e emocionada por voltar ao cenário musical, depois de terminar as gravações da novela Corazón Que Miente. Igualmente, adiantou que seu próximo trabalho discográfico será lançado entre outubro e novembro e inclui canções escritas por ela mesma.

No Sé Llorar é a porta de sua terceira produção discográfica, como está indo com esta canção?

Estou muito feliz de apresentar este novo single, que pertence ao meu terceiro disco. Esta canção têm muita força e uma mensagem muito boa sobre as coisas que não há que chorar.

Como descreve sua evolução musical desde o RBD até No Sé Llorar?

Estou em uma etapa muito diferente de minha vida, eu cresci como mulher e como artista. Já estou para lançar meu terceiro disco como solista, e isto é um grande compromisso porque envolve uma responsabilidade maior do que quando está em um grupo.

Até mudou seu característico cabelo vermelho…

Sou uma uma mulher diferente, e isso se vê tanto na minha imagem quanto em meu trabalho. Estou em algo completamente distinto, que inclui mudança de imagem, de produtores, de equipe de trabalho, e é porque tenho outras ideias para transmitir às pessoas que me seguem.

Além do mais, é muito ativa nas redes sociais. 

Agora estou muito conectada com tudo isto de tecnologia, e por isso tenho que ser coerente com as coisas que eu digo em meus perfis e mídia. Estou com outra imagem, outro tipo de música, outros produtores, um deles é o colombiano Andrés Saavedra, com quem estou muito orgulhosa de trabalhar porque esteve indicado ao Grammy Latino.

Gravou a produção audiovisual em um lugar muito especial para você…

Filmar o vídeo no México foi muito importante para mim, porque eu gosto que as pessoas de outros países vejam a minha cultura. Foi nas ruas da colonia Roma e foram 24 horas de gravações sem parar. Paco Álvarez foi o responsável por esta produção visual, pois ele entendeu muito bem a mensagem que eu gostaria de passar.

Como será o próximo disco?

Este disco será mais pop-rock com toques eletrônicos. Por exemplo, No Sé Llorar tem todos esses ritmos, o que o faz muito atual. As pessoas que me acompanham estão gostando deste som, e eu, particularmente, estou gostando também.

Em breve haverá reencontro do RBD?

Infelizmente eu não acho que há essa possibilidade agora, é algo distante. Aos meus companheiros, lembro-me com carinho, mas até agora não há planos de se reunir novamente.

Caso ocorra, você participaria? 

Provavelmente, mas ainda não há planos.

Fonte: Metro Nicarágua – Tradução e Adaptação: DW

Comentários