Entrevista de Dulce María para o “El Informador”

Durante sua passagem por Guadalajara, Dulce María concedeu entrevista para diversos meios da Cidade e um deles foi o Portal “El Informador”, que além de entrevistar a estrela mexicana, realizou uma sessão de foto. Leia a entrevista:

Crescer não é somente de maneira física, também é a nível emocional e espiritual. Dulce María vinte e cinco anos de trajetória , trinta anos de idade e é das poucas celebridades da indústria que conseguiram construir a carreira sem estagnação. Teve figuras infantis ou adolescentes que ficaram sem evoluir e a cantora mexicana é prova de que com perseverança, talento e uma boa base de fãs, pode-se conseguir a transição para novos horizontes.

Em entrevista ao El Informador,  a também atriz fala desta etapa em sua vida e de seu seguinte disco que ainda segue em processo criativo, mas do qual já pode ser escutado o single No Sé Llorar.

“Tenho muitos fãs adolescentes, mas agora estamos nessa transição, fiz trinta anos em dezembro. Então, sim, vemos muita mudança em geral, na imagem, na história das músicas, eu estou trabalhando com diferentes autores. Eu tenho vivido diferentes experiências e o que componho é diferente. É uma evolução natural, algo com o que vai crescendo na vida e que se reflete nos projetos que vai fazendo.”

A percepção de que Dulce deixou de ser uma menina para se tornar uma mulher também têm os seus seguidores e compartilha que para ela não tem sido difícil dar esse passo, porque também é uma regra natural da vida.

“Eu nunca lutei contra (ao amadurecimento), é algo que ocorre naturalmente, porque tem de ser, mas também sigo atraindo aos pequenos, é algo muito bonito, porque meu projeto pode ser para gente maior, têm mensagens positivas para todas as idades, por isso trato de levar uma mensagem linda, porque a essa idade está em busca de tudo e que mínimo eu lhes deixe algo bom”.

E ao ser uma figura de inspiração para muito jovens, Dulce não tem medo:

“Eu não procuro ser um exemplo; no entanto, somos um reflexo e um espelho do que eles podem identificar-se. Então o que trato é de ser congruente com o que digo e com o que faço, com as mensagens que lhes dou trato de eu mesma fazê-las  porque acho que não há melhor professor que o exemplo, sei que nessa idade tem mil dúvidas e perguntas, acha que já sabe tudo, mas ao mesmo tempo está apenas aprendendo.”

Uma mensagem contra a violência

Em No Sé Llorar, canção que se desprende de seu terceiro álbum discográfico, Dulce María oferece uma mensagem universal sobre a violência e o valor da mulher em tempos onde ainda domina a misoginia (atitude cultural de ódio às mulheres porque elas são femininas). A cantora enfatiza que não quer que o tema seja de uma mulher “ardida” e sim como uma melodia que pode ser de muitas caras, muitas pessoas, muitos sentimentos.

“A canção foi composta por dois autores com muita força – América Jiménez e Ximena Muñoz – para mim é importante como mulher defender-nos, acho que devemos nos unir, e também no vídeo que Paco Álvarez fez, gostei pois escolheu uma diretora de fotografia, confirmo que há homens que dão o merecido valor à mulher e que creem nela e que as ajudam a crescer. Esta canção diz para não estar onde te maltratam, não importa se seja relação amorosa, trabalho, amizade, dentro do ambiente familiar, não tenha medo de dizer “não” e começar de novo.”

Dulce María diz que você deve saber a quem dedicar as lágrimas e eleger as batalhas corretas. Ela passou por situações complicadas:

“Aprendi que as vezes não vale a pena chorar e que sou muito mais forte que isso. Nesta etapa de minha carreira, juntei todos os meus pedacinhos e aqui estou de novo, inteira, não importa o que aconteceu, mas sim o que você se torna.”

Uma visão que flui

O álbum – que provavelmente será lançado em dezembro – oferece letras de amor, de nostalgia, de desamor e de força interna. Ainda está fechando o repertório do disco, por isso não pode dizer mais detalhes, ma confirma que há letras de sua autoria e de autores que são bons amigos, provavelmente também inclua um dueto como já aconteceu anteriormente com figuras como Julión Alvarez, além do Akon e Chino & Nacho, entre outros. O disco será gravado entre o México e Los Angeles.

“É um álbum feito por amor, amar a si mesmo, as músicas são de emponderamento, custei muito para sair disso mas finalmente eu consegui, e que o não te mata te faz mai forte. Eu não sou um fã de canções de amor, porque eles tendem a ser muito brega, e há um tema que eu amo, ainda não gravado, mas que eu adoro, é bonito, eu não posso dizer o nome porque eu vou apenas gravar, estamos nos planos com o disco, faltando um par de canções a serem definidas.”

Para Dulce, ainda é muito cedo para sair em turnê porque o disco ainda não foi lançado, mas já tem em mente os países onde é muito querida – por exemplo Brasil.

Fonte: El Informador – Tradução e Adaptação: DW

Comentários