Entrevista de Dulce María para o Portal POPLine

Terminadas as gravações da novela “Corazón Que Miente”, a mexicana Dulce María está de volta com tudo ao mundo da música. O single “No Sé Llorar”, lançado na semana passada com um clipe, marca o início de sua nova fase musical. A música, que chegou ao topo da lista de vendas do iTunes em vários países, incluindo o Brasil, é a primeira do seu próximo disco, com previsão de lançamento para o fim do ano.

Desde o fim do RBD, Dulce María já lançou dois discos solo – “Extranjera” (2011) e “Sin Fronteras” (2014). O terceiro vai marcar seus 30 anos de idade e 25 de carreira (!!!). Ele vem sendo concebido com o intuito de representar o estado emocional da artista neste momento da vida, em que ela se sente mais tranquila, segura e forte.

A divulgação de “No Sé Llorar” está intensa. Dulce realizou uma coletiva na semana passada, está rodando as cidades mexicanas para visitar as rádios, e também concedendo entrevistas telefônicas para outras partes do mundo. Entre seus compromissos em Puebla, ela parou um pouquinho e reservou dez minutos para bater um papo com o POPline. Leia abaixo na íntegra!

Antes de mais nada, vamos direto ao que todo mundo quer saber: você vem ao Brasil neste ano?

Bem… Ainda não sei. Com certeza, vou com esse próximo disco, mas ele só vai sair no fim do ano ou no início de 2017. Então, não sei se vou ao Brasil neste ano ou só no próximo.

Antes de começar as gravações da novela “Corazón Que Miente”, você disse que ia dar uma pausa na música e só voltaria à produção do disco novo depois. Mas “No Sé Llorar” saiu rapidinho! Houve uma mudança de planos?

Eu disse isso em novembro e, de fato, estive gravando a novela de novembro a abril. Agora, que já terminei, estou de volta à música outra vez. Acabo de lançar essa música, “No Sé Llorar”, que é o primeiro single do meu terceiro disco. Estou no início das gravações do álbum ainda.

Você viu que “No Sé Llorar” tirou “Formation” da Beyoncé do topo do iTunes aqui no Brasil? Como que é destronar a Beyoncé?

(risos) Eu fico muito agradecida por tanto carinho das pessoas! A boa recepção da canção é algo que agradeço muitíssimo. Claro que é uma grande honra, né, saber que chegamos ao nº1 apesar dos grandes artistas que estão aí na parada.

Você está sempre fazendo mais de uma coisa ao mesmo tempo – música e TV, música e teatro, TV e turnê. Você acabou de terminar com a novela e já tem essa música, já foi à reunião dos Jeans [grupo do qual fez parte antes do RBD]… Considera-se workaholic?

(risos) São etapas! Existem etapas na vida em que você está mais ocupada com o trabalho, e outros em que tem mais tempo para a vida pessoal. Agora, estou muito focada no trabalho mesmo. Mas tem tempo para tudo.

Eu vi uma foto recente sua no estúdio de gravação com os colaboradores. Quantas músicas você já tem para o terceiro álbum?

Já tenho bastante! Acho que estou com umas oito ou nove. Mas temos que esperar para escolher quais vão entrar no disco. Mas, seguramente, já temos umas oito, escolhidas. Faltam algumas outras pouquinhas para confirmar e terminar o repertório.

Em “No Sé Llorar”, você canta “pero te voy a confesar que sí me da curiosidad saber lo que te hizo pensar que me podrías lastimar. Quién te creías?”. A letra é inspirada em algum ex-namorado?

Bom, são experiências que todos já tivemos na vida, mas essa não é uma composição minha. A que eu escrevi foi “Dejarte de Amar”, que está em “Corazón Que Miente”. “No Sé Llorar” tem a ver com algumas experiências minhas, mas não foi escrita por mim. Isso já nos passou a todos, claro – momentos em que descobrimos que éramos mais fortes do que esperávamos.

Essa música tem algo de empoderamento também – uma coisa “você não vai me fazer sofrer” e “não vou chorar por você”. Essa será a vibe do álbum?

Eu acredito que, sim, que esse álbum vai trazer muita força. Esse disco vai falar dessa força que temos. Estou nessa etapa agora com 30 anos, e 25 de carreira. Vivi muitas histórias tanto no profissional quanto no pessoal. É meio quando você renasce, recomeça depois de fazer grandes mudanças, e essa é a mensagem que quero transmitir: não importa o que passamos na vida, por pior que pareçam, a gente sempre pode começar de novo. Isso serve para trabalho, relacionamentos, tudo. “No Sé Llorar”, também, porque se estamos em um relacionamento que nos faz sofrer e não nos deixa felizes, temos que buscar um que nos traga felicidade.

Você disse em uma entrevista que a carreira musical é muito imprevisível, instável, sem rotina, e que às vezes há muitas coisas e de repente não há mais nada. Em outra entrevista, você disse que na época do RBD se via cantando para uma multidão de gente e depois ficava solitária no quarto do hotel. Essa montanha russa da vida do artista já te deixou triste, deprimida? Usando o tema da música, já te fez chorar?

Sim, sim, claro que esses extremos podem ser complicados. Emocionalmente, de repente você está diante de tanta gente, com tanta euforia, e no segundo seguinte, está sozinha. Mas é assim, faz parte do trabalho e, com o tempo, você aprende a administrar isso e a valorizar as coisas. Nesse momento do RBD, por exemplo, quando ficava sozinha, escrevia muitíssimo e disso saiu o “Dulce Amargo”, o livro que publiquei. Agora, estou mais tranquila e aprendendo a valorizar cada momento. Quando recebo tanto carinho, tanta gente, valorizo e aproveito isso. Quando estou sozinha, procuro ficar tranquila e desfrutar do descanso, do relaxamento. Com o tempo, você aprende a valorizar isso 100%.

*Assessora interrompe e pede que faça a última pergunta (embora ainda tenha um montão)*

Bom, então, vamos terminar com Brasil. Você já teve a oportunidade de vir ao país diversas vezes. Quais suas melhores recordações?

Graças a Deus, a cada vez que vou, é melhor. Todos os shows foram muito bons. Já fiz uma turnê de sete shows por várias cidades do Brasil e acredito que um dos melhores momentos da minha vida foi aí no Brasil, em um show em São Paulo. Foi dos melhores, de verdade. Tenho várias lembranças lindas daí, mas esse show foi um dos melhores.

Fonte: POPLine

Comentários